quinta-feira, 12 de maio de 2016

Obras olímpicas já registraram 11 mortes no Rio de Janeiro

Rio de Janeiro/RJ - Obras de instalações esportivas ou de legado para as Olimpíadas do Rio, realizadas entre janeiro de 2013 e março de 2016, causaram a morte de 11 operários. O levantamento foi divulgado nesta segunda-feira (25) pela Superintendência Regional do Trabalho e Emprego do Rio de Janeiro.

O número foi passado por Elaine Castilho, auditora responsável pela fiscalização das obras olímpicas, durante apresentação do Dia Mundial para Segurança e Saúde no Trabalho no Centro do Rio.

Como fonte de comparação, o relatório indica que não houve morte de trabalhadores nas obras para as Olimpíadas de Londres, em 2012.

A Superintendência realizou 260 ações de fiscalização, com 1.675 autos de infração lavrados. Houve 38 interdições e embargos.

"É um time de futebol de mortos. Isso tudo causado por falta de planejamento, sem dúvida. É a correria na hora de finalizar", afirmou Elaine Castilho, que coordena o trabalho de fiscalização nas obras de legado olímpico.

Linha 4 tem maior número de mortes
A Linha 4 do metrô teve o maior número de mortes: três. Um operário foi esmagado por um caminhão que andou para trás ao ser estacionado sem freio de mão.

Houve também uma queda de escada com atropelamento nos trilhos, e a morte de um operário chicoteado por uma mangueira de ar comprimido.

Nas obras do entorno do Parque Olímpico, houve uma morte por soterramento e outra por choque elétrico. Houve ainda um óbito por choque elétrico na Supervia e outro esmagamento em obras da Transolímpica.

No Museu da Imagem e do Som, em Copacabana, houve uma queda de andaime. No Museu do Amanhã, houve uma morte após um choque elétrico com queda.

Nas obras de ampliação do Elevado do Joá, um capotamento de veículo causou outra morte. As Obras da Nova Subida da Serra tiveram um morto depois de um desmoronamento.

Segundo Elaine, houve ainda dois casos gravíssimos de acidentes. No Parque Olímpico, um operário foi internado depois de um choque elétrico. Na Transbrasil, houve a amputação da perna de outro funcionário (leia notas das empresas no fim da reportagem).

Em nota, a Prefeitura do Rio diz lamentar as mortes e que presta solidariedade às famílias das vítimas. "O governo municipal ressalta, porém, que, diferentemente do que aponta o relatório, vários projetos não têm qualquer relação com os Jogos Olímpicos, como o Museu da Imagem do Som, a Nova Subida da Serra e a Supervia. E mesmo as demais obras dizem respeito a projetos de legado, ou seja, são inspiradas pelos Jogos mas não possuem vínculo direto com o evento", diz a nota.

Data: 25/04/2016 / Fonte: G1 

Copa do Mundo teve 8 mortes
O superintendente regional do Trabalho no Rio, Robson Leite, disse que o número de mortes em obras olímpicas é "assustador". De acordo com ele, na obras para Copa do Mundo de 2014, em todo Brasil, oito trabalhadores morreram.
Ainda de acordo com Leite, os embargos realizados pela Superintendência do Ministério do Trabalho chegaram a impedir a realização de um evento teste no Velódromo, no Parque Olímpico.

"Fomos até o Velódromo e lá havia uma série de problemas: ameaça ao trabalhador, cinto de segurança para quem ia construir a pista, problemas na parte elétrica que, no Museu do Amanhã, por exemplo, causou a morte de um trabalhador devido a um choque elétrico. Houve falta de sinalização de risco para evitar mortes e acidentes. Nós embargamos as obras e o evento-teste foi cancelado", afirmou Robson. Segundo ele, o embargo ocorreu entre fevereiro e março.

O superintendente diz que existe falta de compromisso da prefeitura com a saúde do trabalhador.

"Hoje as obras da prefeitura deixam muito a desejar no que diz respeito à segurança e saúde do trabalhador. Nosso objetivo não é autuar, interditar ou multar. Queremos mostrar que a segurança do trabalhador é inegociável. Os números com relação às olimpíadas nos preocupam, ainda mais na fase terminal dos projetos, em que há a pressão pelo término das obras", avaliou.

O G1 procurou as empresas envolvidas nos acidentes. A Empresa Olímpica e os museus do Amanhã e da Imagem e do Som não haviam enviado resposta até a última atualização desta reportagem. A Prefeitura, a Supervia e o Consórcio Linha 4 enviaram as notas abaixo.

Prefeitura do Rio: "A Prefeitura do Rio lamenta as mortes, presta sua solidariedade às famílias das vítimas e exige sempre das empresas responsáveis por obras municipais o cumprimento das normas de segurança. O governo municipal ressalta, porém, que, diferentemente do que aponta o relatório, vários projetos não têm qualquer relação com os Jogos Olímpicos, como o Museu da Imagem do Som, a Nova Subida da Serra e a Supervia. E mesmo as demais obras dizem respeito a projetos de legado, ou seja, são inspiradas pelos Jogos mas não possuem vínculo direto com o evento."

Linha 4: "Maior obra de infraestrutura urbana em execução na América Latina, a Linha 4 do Metrô mantém rigorosos procedimentos de segurança para garantir os cuidados necessários aos seus atuais sete mil colaboradores. Em todos os canteiros de obra, há técnicos de segurança do trabalho, acompanhando a execução das obras, para orientar os funcionários e verificar as condições de trabalho, a fim de evitar acidentes."

Supervia: "Na tarde de 23 de dezembro de 2015, agentes da SuperVia acionaram o Corpo de Bombeiros para prestar auxílio imediato a um funcionário terceirizado da empresa APC Soluções Metálicas  que havia sofrido uma descarga elétrica enquanto atuava nas obras de reforma da estação Vila Militar (ramal Santa Cruz). Ao chegarem ao local, os bombeiros constataram o óbito do funcionário. A ocorrência foi registrada na 33ª DP. Após o fato, a concessionária manteve contato permanente com a empresa prestadora de serviços, e as causas do acidente foram investigadas pelos órgãos competentes.  A SuperVia reforça que, enquanto trabalhava supervisionado pela concessionária, o funcionário cumpriu com todas as normas de segurança do trabalho, e que o acidente ocorreu após o expediente programado para aquele dia. O responsável pela empresa terceirizada prestou assistência à família do funcionário e arcou com as despesas necessárias."
Postar um comentário

Pena contra trabalho escravo deve ser maior, defende Raquel Dodge

Procuradora-geral falou na abertura de um seminário, em Brasília, sobre a sentença da Corte Interamericana de Direitos Humanos, que em deze...