quarta-feira, 29 de agosto de 2012

Dúvidas de Alunos

Olá André,

Seguinte, eu  escrevo para você, que é um tecnólogo de petróleo e gás, assim como eu serei no final deste ano, porque hoje li o post do dia 23 em que você critica um artigo que fala que os cursos de técnico e tecnólogo são perda de tempo.

Eu  sou formado em sistemas de informação na Universidade Potiguar em Natal, trabalhei por alguns anos na área e depois percebi que não era o que eu queria. Então ano passado conheci um amigo que fazia o tecnólogo de petróleo e gás na UnP e resolvi fazer, e me identifiquei bastante com o curso, principalmente na área de perfuração(cimentação, canhoneio... etc). Porem já tenho 29 anos e to meio que perdido no que fazer quando terminar esse curso de tecnólogo.

Então me bateu a duvida. Na minha idade é melhor eu tentar emprego com a minha graduação em sistemas mais a de tecnólogo? devo partir para fazer um curso técnico? em mecânica por exemplo ou começar uma engenharia(Na UnP em 2 anos e meio eu termino a engenharia de petróleo aproveitando disciplinas).

Então gostaria de sua opinião sobre qual direcionamento devo traçar para os meus estudos, sabendo que eu sei que vou ter que sair aqui de Natal para conseguir emprego, pois aqui não tem quase nada de emprego na área.

Abraços, parabéns pelo site e muito obrigado pela atenção,

 

Daniel Gouveia Sobral  @danielgsobral

 RESPOSTA:

Boa tarde! Se você tem a possibilidade de fazer uma engenharia, faça!!! Fazer um técnico para que já seja graduado, acho que só se justifica caso você já tenha algum trabalho em vista. Seu currículo vai ficar muito pesado para atuar como técnico. Entende? O tecnólogo ainda é desconhecido pela maioria dos empregadores e acho que o que ocorre é um lobby de graduados, pois o curso de tecnólogo é bom (depende da instituição, mas essa observação vale para qualquer curso de bacharelado) e seriamos uma ótima mão de obra para uma equipe multidisciplinar. Mas acredito que o tempo mostrará como os empregadores estavam enganados. Quanto ao trabalho crie currículos específicos para cada empregador. O que sair primeiro você entra.

sábado, 25 de agosto de 2012

Esfera de gás propano explodiu na refinaria de Amuay na Venezuela

Nas primeiras horas de sábado foi relatado um grande estrondo dentro do Complexo de Refinação de Paraguaná. De acuerdo con información extraoficial, el estallido produjo un temblor que fue sentido en las comunidades cercanas a la instalación. De acordo com informações não oficiais, a explosão foi um tremor que foi sentido nas comunidades próximas da unidade.

 

A través de las redes sociales se han enviado numerosas imágenes del incendio (Cortesía) Através de redes sociais enviou várias imagens de fogo (Cortesia)

 

Caracas.- Aproximadamente a la 1:07 am de este sábado ocurrió una potentísima explosión en una esfera de gas propano-butano en la refinería de Amuay en el Complejo Refinador Paraguaná (CRP) en el estado Falcón, causando un gran estruendo en la zona, informaron trabajadores de la instalación. Caracas -. Em aproximadamente 1h07 no sábado uma explosão muito poderosa ocorreu em uma área de propano e butano da refinaria Amuay em Paraguaná Refining Complex (CRP) no estado Falcón, causando um barulho na área, relataram os trabalhadores da instalação.

Se desconoce la gravedad de la situación y el número de heridos -tanto trabajadores petroleros como civiles- afectados por el siniestro, aunque quienes allí laboran indicaron que las víctimas ya están siendo trasladadas a varias clínicas en Punto Fijo. Desconhecido gravidade da situação e o número de feridos, dois trabalhadores do petróleo e civis afetados pelo incidente, mas os que lá trabalham e indicou que as vítimas estão sendo movidos para várias clínicas. Se pudo conocer que algunos fueron ingresados a la emergencia del hospital Calles Sierra de Punto Fijo. Soube-se que alguns foram internados de urgência do hospital de ponto fixo Serra Ruas.

La esfera incendiada tiene al menos 15 metros de diámetro y es usada como depósito para el gas que se puede destinar a la comercialización. A área queimada é de pelo menos 15 metros de diâmetro e é utilizado como um reservatório para o gás que pode ser dedicado a comercialização. El estallido provocó un fuerte temblor que alertó a la población, pues según vecinos cercanos al CRP, se quebraron ventanas y se afectaron las estructuras. A explosão causou um forte terremoto que alertou a população, como vizinhos próximos de acordo com a PCR, quebraram janelas e estruturas afetadas. Las autoridades policiales mantienen restringido el paso hacia la zona, incluyendo el acceso a las áreas de Los Taques, y la propia refinería de Amuay. As autoridades policiais permanecem passagem restrita à área, incluindo o acesso à refinaria e Los Taques Amuay si.

Iván Freites, secretario ejecutivo de la Federación Unitaria de Trabajadores Petroleros de Venezuela (Futpv), indicó que a las 12:30 am se informó a la Sala de Control de Operaciones sobre una fuga de gas propano-butano en la esfera. Ivan Freitas, secretário-executivo da Federação Unida dos Petroleiros de Venezuela (FUTPV) indicou que em 0:30 informaram as operações de controle do quarto com vazamento de gás propano, butano na área. "El personal a cargo manifestó que controlarían la fuga con espuma para neutralizar las propiedades inflamables, y eso no se resuelve así", afirmó Freites. "O pessoal que disse que iria controlar o vazamento com espuma para neutralizar inflamável, e que não se resolve assim", disse Freitas.

La explosión pudo haberse producido por un problema en la válvula de seguridad que alivia la presión del gas almacenado, agregó el dirigente sindical. A explosão pode ter sido causada por um problema na válvula de segurança que alivia a pressão do gás armazenado, disse o líder sindical.

También se confirmó que por el radio de la explosión se están desalojando las zonas Campo Médico y Judibana, como medida de seguridad. Também foi confirmado que o raio da explosão sendo despejado zonas Judibana campo médico e, como medida de segurança. En estas comunidades los vidrios de las casas e incluso los techos fueron considerablemente afectados por la onda expansiva al momento de la explosión. Nessas comunidades, as janelas das casas e até mesmo os tetos foram significativamente afetadas pela explosão no momento da explosão.

Un mensaje enviado por el Vicepresidente de la República, Elías Jaua, pasadas las 2:00 am, a través de la red social Twitter, señaló que "se activó un plan de contigencia en la zona de la explosión y se precisan las consecuencias del entorno", informó la emisora oficial YVKE Mundial. Uma mensagem enviada pelo vice-presidente Elias Jaua, logo depois de 02h00, através da rede social Twitter, disse que "ativou um plano de contingência na área da explosão e definir as consequências ambientais."  

Minutos más tarde Jaua informó que el gerente de la refinería y el ministro Rafael Ramírez ofrecerían un reporte general de la situación. Minutos depois Jaua informou que o gerente da refinaria e do ministro Rafael Ramirez iria fornecer um relatório da situação.

Con información de Ernesto J. Com informações da Ernesto J. Tovar y Sailú Urribarrí Núnez Nunez Tovar e Sailú Urribarri
EL UNIVERSAL EL UNIVERSAL - sábado 25 de agosto de 2012 01:58Sábado 25 de agosto de 2012 01:58 a.m.

 

 

quinta-feira, 23 de agosto de 2012

Resposta ao Artigo sobre Cursos


Curso de Petróleo e gás é perda de tempo e dinheiro


Marcos Valério Silva, fala sobre a área de atuação dos profissionais de Petróleo e Gás, com uma critica sobre os cursos de nível técnico e tecnológico.

Gostaria de escrever este texto em forma de carta endereçada aos jovens desse país que estão perdendo tempo e dinheiro em cursos de Petróleo e Gás. Os cursos de Petróleo e Gás a que me refiro neste artigo, são os de nível médio ou que formam tecnólogos. Não me refiro aos cursos de especialização, pois nestes casos o indivíduo já será um profissional e está apenas buscando um diferencial em relação a outros candidatos.

Sou profissional offshore a vinte e dois anos, trabalhando na área de robótica submarina (ROV). Durante este tempo, trabalhando no Brasil e no exterior, aprendi o bastante para orientar jovens no ingresso nas carreiras de Petróleo e gás.

Não parece meu caro, tenho 8 anos de experiência, sou tecnólogo e com muito orgulho, tenho uma PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOLOGIA E GEOFÍSICA DE POÇOS EM RESERVATÓRIOS DE PETRÓLEO E GÁS, e não vejo o senhor com bagagem para está orientando ninguém. Isso é função para pedagogos e afins.

Tenho sido contactado por vários jovens que, após completar o curso de Petróleo e Gás, vêm me procurar pedindo orientação de como ingressar no mercado de trabalho. Estes novos cursos são de nível médio ou tecnólogos de nível superior. Neste momento já é tarde, perderam tempo e dinheiro.

Nunca soube que investir em educação fosse perder dinheiro. Quanto não conseguir uma colocação isso vai muito da estratégia de cada um. Conheço advogados que não estão atuando por falta de colocação, médicos, engenheiros e outros. Qual o curso que você vem orientando esses jovens e que tem a garantia de colocação? Quero fazê-lo também, pois queria está mais bem colocado hoje.

Ocorre que estes jovens profissionais não possuem nenhuma formação específica exigida pelo mercado de trabalho na Indústria do Petróleo e gás. Muitos cursos sequer levam os estudantes para visitar uma plataforma.

Não vejo nenhum estudante de direito defendendo ninguém em um tribunal, nunca vi um estudante de medicina sendo chefe de um hospital ou conduzindo uma operação, um estudante de engenharia comandando uma implosão. Quem te informou que uma pessoa tem que ir a uma plataforma para saber o que tem lá? Um piloto de avião só recebe o brevê depois de mais de 1000h em um simulador e sem nunca ter pisado em uma aeronave.

Estes cursos são genéricos demais, dão uma visão genérica da pesquisa, exploração e produção do ouro negro, mas não especializam o estudante em nenhuma área de trabalho.

Não é a mesma coisa de um clínico geral?

Esses alunos melhor fariam se tivessem feito cursos de solda, plataformista, operador de rádio, hotelaria e cursos em áreas que realmente teriam aplicação prática na nossa indústria.

Que conselho bom! O aluno deve fazer um teste vocacional e não ser orientado segundo sua vontade. Você não acha? Existem profissionais sérios para isso. E esses cursos têm garantias de colocação? Eles são práticos? Qual a diferença que eles apresentam em relação aos que você critica?

Você já viu algum anúncio nos jornais procurando técnicos ou tecnólogos de Petróleo e Gás? Nem a Petrobrás precisa desses profissionais.

Eles preferem contratar técnicos em edificações, técnicos em eletrotécnica e outros técnicos para perfurarem poços. Parabéns a Petrobras!!! Talvez seja por isso que mais de 90% das operações de exploração sejam terceirizados e em produção mais de 50%. Devemos lembrar que eles são os maiores patrocinadores do PROMINP. Você conhece o PROMINP?

Pode ver os editais de concurso que vocês não verão a especialidade de Petróleo e Gás, isso nem é uma especialidade e sim um setor da Indústria.Quando você vê um anúncio pedindo um engenheiro de petróleo, ele está se referindo à engenheiros formados em outras áreas e que adquiriram especialização na escola da Petrobrás na Bahia, e/ou têm formação prática em plataformas.

É como se fizessem um curso para formar professores, ensinando somente a história da educação no Brasil e no Mundo. Neste caso não seriam ensinadas técnicas pedagógicas, psicologia infantil, métodos de pesquisa e tudo mais que um professor precisa para estar dentro de uma sala de aula.

O número de profissionais que a Indústria do Petróleo precisa para trazer o óleo e gás até o consumidor final, é muito grande. Esses profissionais são mecânicos, técnicos de eletrônica, mecatrônica, eletricidade, engenheiros nas mais diversas áreas de atuação, profissionais da área de segurança e meio ambiente, enfermeiros, operadores de rádio, profissionais de hotelaria etc. Existem também os profissionais de apoio em terra, como contadores, administradores, secretárias etc.

Essas são algumas das formações básicas que o mercado de trabalho exige para o ingresso do profissional na Industria do Petróleo. Quando se faz um curso de petróleo e gás, não se aprende nada específico que o mercado exige. São cursos teóricos que não serve de base para nenhum trabalho técnico ou operacional da cadeia produtiva do petróleo.

A maioria dos cursos são teóricos. Quanto desconhecimento você possui. Hoje muitos dos cursos são até a distância. Como que não aprende nada específico. Procure o SENAI, O Anderson Cunha e muitos outros. Um profissional que vai perfurar um poço precisa saber o que, além de equipamentos e sistemas de perfuração? Talvez eletrônica para manusear cunhas e chaves flutuantes? Você tá brincando!!!

Na minha área específica, a robótica submarina, o candidato precisa ser formado em eletrônica, mecatrônica, mecânica, eletricidade e atividades afins. Somente depois de concluir um desses cursos, o profissional pode ingressar em uma empresa para aprender a trabalhar com ROV ou ainda fazer um curso de ROV em Macaé. A empresa RRC, consultoria e cursos, é uma das poucas escolas do Brasil na área de robótica submarina.

Para saber mais sobre ROV, pode-se ler o meu outro artigo neste site, chamado “O ROV na Indústria do Petróleo”.

Até que enfim você falou algo concreto. Por que essa mágoa toda? Você deveria ter se concentrado nesse seguimento que parece conhecer e não seguir por trilhas que deve ter ouvido falar em algum fumodrómo de alguma plataforma que você deve ter embarcado.

Neste artigo gostaria de fazer um alerta aos jovens e aos seus pais que, pensando em preparar seus filhos para entrar no grande mercado que se abrirá, devido a exploração do pré-sal, estão, na realidade, gastando tempo e dinheiro em um curso que não os levará a lugar nenhum.

Os jovens devem fazer medicina, direito, administração, contabilidade e outros. Na verdade devem fazer o que lhe for mais conveniente. O sol nasceu para todos!!!!

Cheguei até a escrever uma carta ao Ministério da Educação sobre esse assunto, mas não tive nenhuma resposta.

Eles devem ou deveriam ter mais o que fazer. E que resposta você gostaria de receber? Que eles vão fechar todos os cursos do país que não garantem vagas de trabalho, ou que não leve o aluno a uma plataforma. Você como profissional da área deve saber quais os pré-requisitos para subir alguém a bordo? Melhor que ninguém deveria saber que é impossível subir com aluno em uma plataforma. Vamos ficar sem escolas. O curso mesmo que você citou acima nem todos que fazem saem empregados. Não é? Ou estou mentindo?

Decidi, portanto, usar a força da internet, para divulgar este alerta. Os donos de escolas e faculdades, têm dinheiro e enorme poder de lobby junto aos congressistas,

Usou mal!!! E ainda defendendo a velha tese da conspiração. Essa já está manjada! Tente outro caminho. Meu caro! Ninguém o obrigado a fazer curso nenhum. Estuda quem quer, o que quiser e como quiser.

logo não haverá interesse em alertar os nossos jovens de que estão perdendo tempo em vez de se prepararem em cursos que realmente os ajudarão no futuro.

Quais são esses cursos?

Espero ter ajudado e me ponho à disposição para esclarecer dúvidas remanescentes.

Abraço a todos e boa sorte,

Marcos Valério Silva.

Não sei como esse conceituado blog lhe deu espaço para falar tantas coisas sem fundamentos.

 

Boa Noite! Andre Costa - www.andrecostapetroleo.blogspot.com

 


 

terça-feira, 21 de agosto de 2012

Vantagens e desvantagens do transporte de cabotagem no país

No Brasil, as empresas que mais usam o transporte de cabotagem são as de granéis líquidos (óleo e derivados de petróleo). Embora em escala menor, o setor de granéis sólidos (soja, trigo e milho) também utiliza o transporte por navios. Mas é no setor de carga por contêineres que o Instituto Ilos (Instituto de Logística e Supply Chain – cadeia de suprimentos) estima uma perspectiva maior de crescimento, seja por questões ligadas à legislação, que alterou a jornada de trabalho dos caminhoneiros, ou por questões ligadas à logística de transporte.

“Cada vez mais embarcadores estão optando pelo transporte de cabotagem feito em contêineres. Já existe hoje a percepção de que o modal de transporte de cabotagem é mais seguro e estável”, disse à Agência Brasil o diretor de Desenvolvimento de Negócios do Instituto Ilos, João Guilherme Araújo. Segundo ele, no caso do transporte rodoviário, dependendo da carga, “você precisa fazer a escolta durante todo o trajeto, o que encarece bastante o valor final do frete”.

Na avaliação de Araújo, o custo comparativo entre uma modalidade e outra é uma das vantagens favoráveis ao transporte de cabotagem – que chega a ser, em média, 20% inferior ao do transporte rodoviário e “infinitamente inferior” ao aeroviário. “Enquanto o valor do frete na modalidade de cabotagem fica entre 18% e 23% menor, o aeroviário é infinitamente mais alto por quilograma de mercadoria transportada, além de sofrer com a restrição imposta a cargas que contém substâncias inflamáveis”.

As informações do Instituto Ilos indicam que o setor aeroviário responde por apenas 0,05% do volume de carga transportado no país, enquanto o automotivo fica em torno de 65% e o de cabotagem em 9%. O restante é transportado por ferrovia.

A desvantagem da cabotagem, de acordo com Araujo, está no tempo de entrega da carga, que tem o seu maior obstáculo na burocracia portuária.“É claro que há desvantagens. E o tempo de entrega da carga, agravado pela burocracia que dificulta o desenlace da mercadoria, é o principal deles. Enquanto o transporte rodoviário consegue entregar uma carga em um prazo de três dias, por exemplo, o de cabotagem chega a levar de cinco a seis dias – se for considerado, também, o tempo de desembaraço da carga, agravado pela burocracia vigente no país”.

Uma das principais críticas do setor, as amarras burocráticas, está na pauta de reivindicações que o setor encaminhou para ser discutida durante a elaboração do Plano de Investimento de Setor Cabotagem.

Araújo destacou ainda, como uma das dificuldades, o fato do transporte de cabotagem no Brasil ainda está sujeita às mesmas regras do transporte de carga de longo curso. “O transporte de cabotagem no país está praticamente sujeito às mesmas regras e ao mesmo tratamento do transporte de longo curso, que diz respeito ao transporte internacional de carga. Isso não faz o menor sentido, porque o transporte de cabotagem envolve carga doméstica. Mas como ela opera concorrendo com terminais de comércio internacionais, que por questões de regulamentação são similares, toma-se maior tempo”.

Ele calcula que, não fosse a burocracia, o tempo médio de duração do transporte via navio seria apenas 30% superior em qualquer percurso ao do transporte rodoviário. “Mas o desembaraço [da carga] e a precária infraestrutura portuária praticamente dobra esse tempo. E isso ocorre também porque você concorre com um problema a mais: o do atracamento internacional [e consequentemente a capacidade portuária de embarque e desembarque]”, disse. “Na medida em que você concorre com o berço de atracação internacional, que usualmente tem um valor transportado maior, o terminal portuário, em geral, dá preferência ao atracamento internacional, cuja carga tem maior valor agregado”, completou.

O setor crítica ainda a questão do preço do bunker [combustível usado pelos navios de grande porte] que custa mais para a navegação de cabotagem do que para a de longo curso. “Há sugestões do setor que barateariam ainda mais o transporte de cabotagem no país. E um deles é a questão do preço do bunker para a navegação de cabotagem. O produto consumido internamente é sujeito à tributação, paga PIS/Cofins e ICMS [Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços]. No primeiro caso são 9,65% de imposto sobre o valor do produto e, no segundo, em média 17%. Os navios de longo curso são isentos de pagamento de impostos e este é um grande pleito do setor”, destacou Araújo.

Fonte: Agência Brasil / Nielmar de Oliveira

quinta-feira, 9 de agosto de 2012

IV PetroPUC - Desafios do Pré-Sal



Para incentivar a integração entre profissionais, alunos de diversas universidades e a indústria de petróleo e gás, o Capítulo Estudantil SPE PUC-Rio promove, de 20 a 24 de agosto, o IV PetroPUC – Desafios do Pré-Sal.

O IV PetroPUC é patrocinado pela Petrobras, Statoil, BG, OGX, Baker Hughes, BP, Schlumberger, Chevron e Halliburton, importantes multinacionais do ramo de petróleo. O evento contará com minicursos, palestras técnicas, mesa-redonda, stand de currículos e muito mais.

Os minicursos têm duração de quatro horas, ao custo de R$ 20,00 (vinte reais) para os membros da SPE, e R$ 30,00 (trinta reais) para os não membros. Além disso, há um desconto de 20% a partir de 4 minicursos realizados.
As inscrições poderão ser feitas pelo site www.petropuc.com.
Maiores informações: http://spepucrio.blogspot.com.br/#!/

Funcionário da JBS morre após cair em máquina de processamento de aves

A JBS informou que o acidente aconteceu durante a higienização de um dos equipamentos da fábrica O funcionário da JBS, José Eudes Ferrei...