quarta-feira, 29 de julho de 2009

CINE - CONHECIMENTO

Documentário “O petróleo tem que ser nosso”estréia, na quinta, 30, às 18h30, no Odeon.Entrada gratuitaO filme tenta responder a uma inquietante questão: diante das gigantescas reservas do pré-sal, que caminho o Brasil vai tomar? Políticos, intelectuais, sindicalistas, estudantes, representantes da igreja, artistas e militares estão entre os 34 depoimentos, de diferentes matizes, que abordam o tema sob perspectiva histórica, geopolítica, ambiental, econômica e social. A estréia será no Cinema Odeon, na Cinelândia, no Rio, em evento que começa às 18h30. A entrada é gratuita. O cinema tem lotação para 584 lugares, a serem preenchidos por ordem de chegada. Ingressos na bilheteria. “O petróleo tem que ser nosso – última fronteira” é um filme produzido pelo Sindicato dos Petroleiros do Rio de Janeiro (Sindipetro-RJ) e pela Associação de Engenheiros da Petrobras (Aepet), dirigido por Peter Cordenonsi. Será uma peça importante na popularização da Campanha “O petróleo tem que ser nosso”, que reúne dezenas de entidades dos movimentos sindical, social e estudantil, dentre os quais o MST e a UNE. Cópias serão distribuídas pelo Brasil afora, mostrando à sociedade brasileira uma versão comprometida com a defesa dos interesses nacionais. Os depoimentos incluem desde o governador do Paraná Roberto Requião (PMDB) e do senador Aluísio Mercadante (PT), os deputados Chico Alencar (PSOL) e Brizola Neto (PDT), ao dirigente do MST João Pedro Stédile e ao coordenador da Conlutas José Maria de Almeida, passando pelo Brigadeiro Sérgio Ferolla, ex-diretor do CTA (Centro Técnico Aeroespacial) entre 1989 a 1992, comandante da Escola Superior de Guerra e ex-presidente do STM (Superior Tribunal Militar). Também d. Dimas Lara Barbosa, bispo auxiliar do Rio de Janeiro e secretário-geral da Conferência Nacional de Bispos do Brasil (CNBB). Os nomes pinçados - num elenco que também inclui os professores Ildo Sauer e Carlos Lessa, Ivan Pinheiro e o ator Paulo Betti, dentre outras “feras” – apenas foram escolhidos para dar uma dimensão da diversidade de ideologias e interesses que compõem o elenco dos apoiadores da Campanha “O petróleo tem que ser nosso” . Está reunido um exército de brasileiros, disposto e enfrentar o lobby das transnacionais do petróleo, visando à defesa do povo brasileiro e da soberania nacional.Apesar do tema complexo e polêmico, Cordenonsi conseguiu editar um filme leve, instigante, que prende do início ao fim o expectador. Ao final, uma surpresa que deixará emocionados todos os que tiverem o privilégio de assistir à pré-estreia, no Odeon. Cartilha – Além do filme, será lançada na próxima quinta, 30, no Cinema Odeon, a primeira edição da cartilha da Campanha “O petróleo tem que ser nosso”, com 100 mil exemplares. Com 24 páginas, ilustrações e imagens coloridas, a cartilha destina-se a estudantes, donas de casa, formadores de opinião e a todos aqueles que pretendem entender um pouco mais sobre a discussão do petróleo e as recentes descobertas do pré-sal. A forma como serão exploradas e comercializadas as novas reservas, que colocarão o Brasil entre os maiores produtores mundiais, é decisiva para os rumos que o país vai tomar. A campanha propõe um novo marco regulatório, defende a reestatização da Petrobrás e questiona a nova estatal.
Fonte: Agência Petroleira de Notícias (www.apn.org.br)

terça-feira, 21 de julho de 2009


Para que não esteve presente. Click na imagem e obtenha a apresentação
Para quem não pode estar presente clique na imagem e tenha essa excelente apresentação.

quinta-feira, 16 de julho de 2009

Mercado de Petróleo e Gás vai treinar 130 mil até 2012, 90% no Rio
Fonte: O Dia
Data: 14/07/2009 10:16


A indústria de Petróleo e Gás é a que mais cresce no País e, com os investimentos garantidos no setor, o mercado de trabalho também deve se expandir nos próximos anos. Mas o segredo para ingressar na atividade é a capacitação. A Associação Brasileira de Engenharia Industrial (Abemi) prevê que, até 2012, 130 mil pessoas serão capacitadas na área — 90% só no Estado do Rio. Serão incorporados trabalhadores de todos os níveis.

A Petrobras oferece, em coordenação com a Abemi, o Plano Nacional de Qualificação Profissional (PNQP) do Programa de Mobilização da Indústria Nacional de Petróleo e Gás Natural (Prominp), que oferece 160 cursos, nos níveis Básico, Médio, Técnico e Superior, em parceria com Senai, universidades estaduais e federais, além da Fundação Getulio Vargas (FGV). O diretor da Abemi, Joaquim Maia, lembra que a indústria do petróleo passou a injetar mais recursos em capacitação, após a regulamentação dos investimentos em pesquisa prevista na Lei do Petróleo: “Todas as empresas que têm concessão de exploração de blocos são obrigadas a investir em capacitação, o que é fundamental para a atividade, porque trabalhamos em condições de segurança críticas”.

Segundo Maia, com o início da exploração do pré-sal, a procura por trabalhadores na área aumentará muito. Profissionais capacitados nas áreas de perfuração e prospecção serão os mais disputados. “Quem já tem experiência em outras áreas pode se capacitar para a Indústria do Petróleo também”, afirma Maia.

Gilvan Correa Barros Filho, 46 anos, cursou MBA em Petróleo e Gás pela FGV e, graças a essa qualificação, conseguiu emprego, no início deste ano, em uma empresa de táxi aéreo que presta serviços para plataformas de exploração. “Eu já tinha experiência como piloto da Marinha, mas o MBA reforçou meu currículo e me abriu portas”, conta Gilvan.

TREINAMENTO

SENAI - O Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial mantém permanentemente cursos técnicos para a indústria do Petróleo e Gás. Em Macaé, estão abertas inscrições para os seguintes: Aperfeiçoamento em Pintura Industrial (Macaé); Mergulhador Profissional Raso (Macaé e Benfica); Montagem e Manutenção de Instalações Subaquáticas (Benfica); e Pintor Industrial (Macaé e Pádua). Informações pelo telefone 0800-0231231.

INSTITUTOS FEDERAISO campus de Cabo Frio do Instituto Federal Fluminense vai abrir 40 vagas para o curso Petróleo e Gás, com início das aulas em 2010. O Instituto Federal Fluminense de Duque de Caxias abre inscrições no dia 11 de agosto para 32 vagas do segundo semestre no mesmo curso. Ambos são de Nível Médio.

FGVAbriu inscrições para o MBA Executivo em Gestão de Negócios em Petróleo e Gás. Aulas serão aplicadas em convênio com instituições de Niterói e Campos. Em 29 de outubro, a FGV fará workshop sobre GNV.

segunda-feira, 13 de julho de 2009

PÉROLAS PRESIDENCIAIS (por Gen. Div Clovis Purper Bandeira - Clube Militar)

Em suas infindáveis viagens, o “cara” tem proferido uma quantidade enorme de gafes e de frases infelizes, das quais, incrivelmente, parece se orgulhar.
No mais recente passeio internacional, seguiu a tradição e desferiu várias afirmações desse tipo por ocasião de seus já temidos improvisos, pois de nada valem os textos preparados por sua assessoria ou pelo Itamarati, o homem gosta mesmo é de improvisar, mesmo que na ocasião devesse agir como chefe de governo e de estado, tendo o máximo cuidado com o que diz e com o que faz.
Imprudente, imprevidente, impulsivo e despreparado, suas manifestações histriônicas beiram o absurdo pela inoportunidade e pelo destempero, fazendo a festa dos jornalistas que o acompanham (a propaganda é sempre bem-vinda) como convidados, embora pareça que mesmo esses já estão cansando da insistência em disparates, não os registrando com a mesma alegria que a originalidade lhes conferia inicialmente. Agora, já aparecem várias vezes como o que realmente são: manifestações de mau gosto e de falta do decoro exigido pelo cargo e pela situação vivida.
Para ficarmos apenas na viagem recém-feita à Arábia Saudita, China e Turquia, as preciosidades são abundantes, como nos mostra a imprensa. Vejamos algumas delas.
Na Arábia Saudita, perguntou por que algumas mulheres usavam véus enquanto outras não o faziam. Se tivesse lido as informações sobre o país anfitrião com que o Itamarati o abastece antes de cada viagem, saberia que a Arábia é um dos países muçulmanos mais radicais na observação dos preceitos do Islã, onde as mulheres usam vestimentas que só lhes deixam aparecer os olhos. No entanto, como ficam em seu território as duas maiores cidades sagradas da fé islâmica, Meca e Medina recebem intenso fluxo de viajantes de outros países muçulmanos onde as normas não têm o mesmo radicalismo, o que resulta na possibilidade de verem-se mulheres com o rosto descoberto e, mesmo, em trajes ocidentais, para escândalo e reprovação dos locais.
Na China, novo motor da economia mundial antes e depois da crise econômico-financeira que atravessamos (marolinha, lembram?), país cotejado por ser o maior importador de produtos primários do mundo, reduziu sua estada para aumentá-la nos outros destinos da viagem, sem considerar a importância relativa dos países para nosso comércio exterior – em abril, exportamos 70 milhões de dólares para a Turquia, 270 milhões para a Arábia Saudita e 3,2 bilhões para a China, que, pela primeira vez, ultrapassou os EUA como nosso principal parceiro comercial. Ainda nesse país, não conseguimos a liberação de vendas para nossa carne e assinamos, com muito foguetório, um empréstimo, já anunciado há vários meses, de 10 bilhões de dólares para a Petrobrás, a serem pagos com petróleo, ao preço médio de cerca de 14 dólares o barril, durante 10 anos. Sem dúvida, um negócio da China. Para os chineses!!!
Na Turquia, chamou de “trambiqueiros” empresários brasileiros que perderam dinheiro na especulação financeira implodida pela crise mundial. Esses empresários, no entanto, foram salvos por empréstimos do BNDES, BB e CEF. O governo, então, põe dinheiro do contribuinte em empresas de “trambiqueiros”?
Ainda em Istambul, em mais um acesso de egolatria, elogiou-se e chamou ex-governantes do Brasil de medíocres, inclusive D. Pedro II, que visitou a Turquia e “não deixou saudades”. Deve ter certeza de que, daqui a alguns anos, sua figura folclórica terá o mesmo prestígio histórico de que goza nosso último imperador, homem culto, poliglota, respeitado e admirado mundialmente, que fazia viagens internacionais pagando as despesas de sua própria algibeira.
O “cara” é incorrigível!!!


Atentem para o que se refere ao acordo com a china usando "nosso" petróleo como moeda.

quinta-feira, 9 de julho de 2009


Uma apresentação muito legal com as fotos do evento, realizada pelo aluno Nélio (Gama Filho - Niterói). Clique na Imagem para salvar o arquivo. Uma boa para quem não pode participar do evento. Grande Abraço!!!!

Indenização por morte em acidente de trabalho

Confira os 2 tipos de indenização a que têm direito os parentes de funcionário que morre após acidente de trabalho. A indenização por dan...