quarta-feira, 10 de maio de 2017

Rodrigo Janot e Gilmar Mendes voltam a entrar em rota de colisão

Um dia após o ministro do Supremo acusar a PGR por vazamentos de delações da operação, procurador-geral da República critica "decrepitude moral" e "disenteria" verbal do magistrado


O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), e o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, entraram em rota de colisão outra vez. O primeiro atacou na terça-feira, com crítica contundente: “Quando praticado por funcionário público, vazamento é eufemismo para um crime que os procuradores certamente não desconhecem. A violação do sigilo está no artigo 325 do Código Penal. Mais grave é que a notícia dá conta dessa prática dentro da estrutura da Procuradoria-Geral da República. Isso é constrangedor”. 

Ontem, Janot rebateu, também de forma ríspida. Ele fez um duro discurso em defesa da Lava-Jato e da Procuradoria-Geral da República, afirmando que o Ministério Público Federal não realiza coletivas de imprensa em off, conforme informação que chegou a ser veiculada na imprensa no fim de semana e que foi endossada por Gilmar Mendes.

Publicidade
Apesar de não mencionar o ministro do STF, Janot fez críticas à atuação política de Gilmar Mendes. Chamou de “mentira” a informação sobre “coletivas de imprensa em off”. “Aliás, essa matéria jornalística nem sequer ouviu o outro lado. Não fomos chamados a nos pronunciar sobre esta mentira”, disse o procurador durante reunião de procuradores eleitorais em Brasília. “Esta matéria imputa esta prática como corriqueira nos três poderes da República, e, apesar da imputação expressa de até o STF [fazer tal prática], não vi uma só palavra de quem teve uma disenteria verbal a se pronunciar sobre esta imputação ao Congresso, ao Palácio e até ao Supremo”, afirmou Janot. “Só posso atribuir tal ideia a mentes ociosas e dadas a devaneios, mas infelizmente com meios para distorcer fatos e desvirtuar instrumentos legítimos de comunicação institucional”, disparou o chefe da PGR.

Não foi a primeira vez em que Janot respondeu a declarações de Gilmar Mendes com críticas ao MPF. Desta vez, ele preparou um discurso, mas, nos momentos mais incisivos, não se ateve ao texto. “Procuramos nos distanciar dos banquetes palacianos. Fugimos dos círculos de comensais que cortejam desavergonhadamente o poder político. E repudiamos a relação promíscua com a imprensa. Ainda assim, meus amigos, em projeção mental, alguns tentam nivelar a todos a sua decrepitude moral, e para isso acusam-nos de condutas que lhes são próprias, socorrendo-se não raras vezes da aparente intangibilidade proporcionada pela posição que ocupam no Estado”, disse Janot.

Janot disse também que “sempre houve, na história da humanidade, homens dispostos a sacrificar seus compromissos éticos no altar da vaidade desmedida e da ambição sem freios”. E atacou, sempre sem citar Gilmar Mendes: “Esses não hesitam em violar o dever de imparcialidade ou em macular o decoro do cargo que exercem; na sofreguidão por reconhecimento e afago dos poderosos de plantão, perdem o referencial de decência e de retidão”.

“Mesmo quando exercemos nossas funções dentro da mais absoluta legalidade, estamos sujeitos a severas e, muitas vezes, injustas críticas de quem teve interesses contrariados por nossas ações. E a maledicência e a má-fé são verdugos constantes e insolentes”, completou o procurador-geral.

O discurso também citou os três anos de “profícuo trabalho” da Lava-Jato. “Do que se revelou no curso das investigações, é possível concluir que existem basicamente duas formas de corrupção no país: a econômica e a política. Elas não se excluem e, em certa medida, tocam-se e interagem.” Janot disse também que o mérito da Lava-Jato foi haver encontrado o veio principal da corrupção política. “Esse tipo de corrupção, como disse, é de altíssima ‘lesividade’ social porque frauda a democracia representativa, movimenta bilhões de reais na clandestinidade e debilita o senso de solidariedade e de coesão, essenciais a uma sociedade saudável.”
fonte: http://www.em.com.br
Postar um comentário

Pena contra trabalho escravo deve ser maior, defende Raquel Dodge

Procuradora-geral falou na abertura de um seminário, em Brasília, sobre a sentença da Corte Interamericana de Direitos Humanos, que em deze...