quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

Flávio Turquino, o primeiro ‘honesto’ delatado na Lava Jato



Segundo depoimento em colaboração premiada de Alexandre Margotto, Flávio Turquino se recusou a participar do esquema e pediu exoneração de cargo no Ministério da Agricultura.


O nome do veterinário Flávio Turquino apareceu nos depoimentos de colaboração premiada da Operação Lava Jato neste final de semana, mas ao contrário dos demais envolvidos no caso, foi citado por ter se recusado a fazer parte do esquema. Ele foi mencionado nos depoimentos de Alexandre Margotto, que era ligado a Lúcio Bolonha Funaro – apontado como operador financeiro do ex-deputado federal Eduardo Cunha (PMDB). O conteúdo foi exibido com exclusividade pelo Fantástico deste domingo (19).
Flávio Turquino foi indicado para o Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal (Dipoa) do Ministério da Agricultura em agosto de 2013. À frente do Dipoa, Turquino teria como atribuição dirigir toda equipe de Fiscais Federais Agropecuários que desempenham suas funções em frigoríficos, indústrias de laticínios, entrepostos de pescados, ovos e mel.
A indicação teve o aval de Funaro e do ex-deputado Eduardo Cunha e tinha como objetivo atender a um pedido do empresário Joesley Batista – presidente da J&F, que controla o frigorífico JBS –, que queria ter uma pessoa de confiança indicada ao cargo, que seria estratégico para seus negócios.
A nomeação, porém, enfrentou resistência dos fiscais federais. Isso porque o veterinário havia sido gerente de exportação da Agrícola Jandelle S.A. (Big Frango) e ter passagem por outras empresas como a Cargill – empresas estas fiscalizadas pelo Ministério da Agricultura.
No dia 7 de outubro de 2013, a exoneração, a pedido de Turquino, foi publicada no Diário Oficial da União (DOU). Na época, o então ministro Antônio Andrade (PMDB-MG) justificou a saída afirmando que Turquino recebeu convite mais compensador economicamente de uma empresa privada.
A delação de Margotto, porém, conta uma história diferente. Segundo o delator, Turquino não aceitou as condições do esquema e pediu demissão. “Alguma operação que eu não sei te dizer, o Flávio ficou absurdado. Falou ‘não vou fazer’. ‘Tenho uma família, não preciso de dinheiro, eu prezo por fazer as coisas certas. Não quero estragar o nome da minha família’”, disse Margotto, na delação premiada.
A delação de Margotto foi homologada pelo juiz federal Vallisney Oliveira, da Justiça Federal de Brasília. Nos depoimentos, o delator deu mais detalhes de como funcionava o esquema de corrupção montado dentro da Caixa Econômica Federal.
Fonte: http://www.gazetadopovo.com.br/vida-publica/quem-e-flavio-turquino-o-primeiro-honesto-delatado-na-lava-jato-5l2fnhf7hg87k1w37tyls1f7q
Postar um comentário

Pena contra trabalho escravo deve ser maior, defende Raquel Dodge

Procuradora-geral falou na abertura de um seminário, em Brasília, sobre a sentença da Corte Interamericana de Direitos Humanos, que em deze...